sexta-feira, 23 de junho de 2017

Sobre a prometida ressurreição para homens

Muitas pessoas acreditam na ressurreição após a morte mas trata-se de uma ideia errada, no que concerne aos homens. Quando a Bíblia diz que Jesus ressuscitou, ela está igualando-o a Deus, querendo demonstrar que esta é uma exclusividade de Deus (energia hegemonicamente pura). Energia híbrida, homem, não pode ressuscitar. Morreu, passou para o plano da inconsciência, da qual também faz parte a terra ou solo, também e por exemplo. Se esta hipótese da inconsciência pode parecer aterradora, massacrante, triste devemos considerar não passa de uma PROJEÇÃO que fazemos de algo que não conhecemos (a morte ou inconsciência) enquanto estivermos VIVOS. Os mortos não têm inquietações, preocupações, medos, tristezas... pois são indiferentes, neutros, passivos. Além do mais, minhas últimas reflexões sobre Deus me levaram a concluir que um dia ele também vai perder a propriedade da ressurreição (transformando-se num buraco negro ao atingir ou optar pela completude, perdendo a parcela de matéria mínima que tinha em sua constituição, portanto, perdendo os últimos suspiros de conservação de outrora, passando a ser um corpo celeste errante, poderoso mas enlouquecido, destrutivo, irracional) e que a eternidade se dá com o surgimento de novos deuses surgidos em regiões ainda não exploradas ou usadas do cosmos INFINITO, os quais criam novos seres... numa sequência interminável. Assim, o ciclo revezante dos deuses é que é a eternidade. Definitivamente, a lei máxima da existência é: nascimento, desenvolvimento e morte. Ninguém está imune a tal lei, nem mesmo os deuses (quando atingem a velhice de longuíssimo prazo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário