quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Novo paradigma sobre a política de juros reais básicos muito elevados

Recentemente, antes da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), os juros básicos nominais estavam em 13,75% ao ano. Então, qual a medida  adotada por tal comitê? Simplesmente fez uma redução homeopática ou ortodoxa de 0,75 pontos percentuais. Ora, em casos de juros reais muito elevados, sugiro a adoção de novo paradigma, mais ousado, heterodoxo. Vamos lá. Pois bem, digamos que o juro final ALMEJADO, depois de seguidas baixas homeopáticas, fosse de 8%. Então, já na reunião passada, os juros nominais já deveriam cair de 13,75% para 8%. Economia com despesas com juros e maior incentivo à retomada da atividade produtiva. Deve-se ter, agora, nessa nova situação, um CUIDADO REDOBRADO na elaboração da ATA do Copom. Ou seja, deve-se deixar bem claro que, a princípio, não se prevê nenhum corte a mais no curtíssimo prazo - salvo novas avaliações futuras revelem necessidades de mudanças de trajetória dos juros (principalmente mais para baixo ainda), de acordo com o apontado por indicadores econômico-sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário